>
NOVOS ARTIGOS ABAIXO
LENDO

Policia Sufoca o Tráfico no Acari e Amarelinho e o ADA bate palma de longe.

Não é normal, ou não estamos acostumados em presenciar diversas operações nas comunidades de Acari e Amarelinho, na zona norte do Rio de Janeiro.

Acari já foi conhecida por ter uma carreira de tráfico e um plano de aposentadoria para os membros, que são do Terceiro Comando Puro.

Hoje a fama se perdeu.

São semanas seguidas de sufoco da Policia, Bope ou Core.

Imagem Ilustrativa.
Hoje novamente os policiais entraram com 2 caveirões (blindados) e 4 pick-ups da Bope na favela do Acari.

Desde de manhã estão realizando uma operação na comunidade, vasculhando becos e vielas, atrás de traficantes da quadrilha do Capilé, chefe do tráfico em Acari.

Já no conjunto Amarelinho (TCP) está tudo tranquilo.

Houve um pequeno confronto, mas não sabemos se houve mortos ou feridos.

Se para alguns essa operação é algo corriqueiro das autoridades do Rio de Janeiro, para quem acompanha o sub-mundo do tráfico no Rio de Janeiro, tem aquele pensamento  ".. ai tem coisa".

Há dias os bandidos do Complexo da Pedreira (ADA) estão ameaçando de invadir a favela do Para-Pedro em Colégio.

O Para-Pedro ou conhecido como Parapaz, é controlado pelo chefe do tráfico no Conjunto Amarelinho.

Quando tem invasão no Para-Pedro, os traficantes se escondem nas favelas do Amarelinho e Acari, esperando a policia tirar os invasores.

Tudo indica que poderá ter mais episódios pelo controle do Para-Pedro (Parapaz)

Será?

Traficante Ben 10 do Engenho - CV



Claudio Aurélio Conceição da Silva, ou mais conhecido como Bem 10. 

Integrante da facção Comando Vermelho e já liderou o tráfico no Morro do Engenho da Rainha, na zona norte do Rio de Janeiro.

Apesar de ser jovem, o Ben 10 já ocupou vários cargos de liderança e também já foi peça fundamental no tráfico do Morro do Engenho.

Agüentou um cargo de número 1 no Engenho, mesmo após da ocupação do Quartel General do Comando Vermelho, os complexos da Penha e Alemão.

Quando a Penha foi pacificada, muitos soldados se deslocaram para o Morro do Engenho á pedido do Fabiano Atanásio da Silva, o FB, o homem que liderava o tráfico no Complexo da Penha.


Como o FB tinha participações nas bocas do Engenho, muitos soldados da sua confiança reforçaram o tráfico na região.

Também por um fator estratégico, pois a grande ambição do FB era retomar o Morro do Urubu (vizinho) onde era chefe e perdeu para os rivais do ADA.

Leia a História de crimes do Traficante FB 

 
Até que conseguiram retomar o Morro do Urubu, e na gestão do Ben 10.

O tráfico no Morro do Urubu estava fraco e sem armamento, com os donos (Coelho e BR) presos e com o frente naquela época, o traficante Bamba, preso também, os rivais do Comando Vermelho enxergaram uma situação ótima para entrar no Urubu.

A Invasão foi comandada pelo Ben 10, mas com patrocínio do traficante Luis Claudio Machado, o Marreta, que ocupava o cargo de “general das guerras”, com a função de expandir o Comando Vermelho no Rio de Janeiro.

Marreta.
O Ben 10 organizou um bonde, que saiu do Engenho e tomou o Morro do Urubu em poucas horas.

Os traficantes do Urubu (ADA) nem trocaram tiros, preferiram correr, mesmo com fuzil na mão e se esconderam no Morro da Primavera (ADA) em Cavalcante, na zona norte.

Foi uma conquista muito comemorada pelo Comando Vermelho, que começou a divulgar que o Morro do Urubu era CV, e usando as redes sociais.

Praticamente sem esperanças, os chefes do Urubu quase optaram por trocar de facção, para não ficar sem casa.


Mas os traficantes do Complexo da Pedreira, São Carlos e 18, negociaram a retomada do Urubu com os chefes que estavam presos, que cederam o morro em troca de uma quantia na retomada.

E facilmente o ADA retomou o Morro do Urubu.

Na ocasião o Bonde do Ben 10 estava fraco no morro, pois não contavam com uma retomada assim tão rápida.

Houve um tiroteio intenso, e chegaram a publicar nas redes sociais que o traficante Marreta tinha sido morto, e o Ben 10 tinha saído com ferimentos da batalha.

Mas não passavam de boatos.

O Morro do Urubu voltou a ser ADA e patrocinado pelo traficante Lindinho, chefe do tráfico em Macaé e São Carlos.

Lindinho ou Foca (ADA)
Inconformados com a perda do Urubu tão rápido, de uma forma que ninguém esperava os traficantes do Engenho até tentaram invadir novamente, mas sem sucesso.

O Urubu já estava bem armado e protegido, impossibilitando uma nova invasão.

Estranhamente a cúpula do Comando Vermelho retirou o traficante Ben 10 da liderança, e deslocaram-no para o Morro do Juramento em Vicente de Carvalho.

Dizem que a facção não gostou da derrota no Urubu, e grande parte da culpa caiu nas costas do Ben 10.

Alegaram também que os moradores do Engenho estavam insatisfeito com ele, e tudo que a liderança não queria era perder mais um morro no quartel da facção.

No Morro do Juramento ele ficou na “aba” do traficante Paulo Bigode ou Flavinho do Juramento, que era o frente do tráfico na época.

F.B
Flavinho liderava a totalidade do Juramento, mas era um soldado do Complexo da Penha, que prestava contas ao traficante FB.

Por muito tempo o Ben 10 permaneceu no Juramento, e sempre ao lado do Paulo Bigode.
Participava de assaltos constantemente com o bonde do Juramento.

E já chegou a ser baleado por policiais militares, que encurralou o Flavinho e o Ben 10 nos acessos do Juramento.

Eles tentaram fugir de carro, mas foram baleados sem ferimentos graves.

Ben 10 também participou do episódio que ocasionou a perda do Juramento para a facção ADA.

Paulo Bigode ou Flavinho.
Na época, o Juramento não estava passando por uma situação legal, e o Paulo Bigode administrava como dava, colocando dinheiro do próprio bolso.

Acabou abrigando traficantes da Mangueira e da Região dos Lagos, para intimidar os rivais do ADA, que já “gritavam” que iriam invadir o Juramento á qualquer momento.

Diziam que em dia de baile os traficantes Flavinho e Ben 10, ficavam rodeados com seguranças com fuzis de diversos calibres.

Mas quando o baile acabava não ficava nem 3 fuzis no Morro do Juramento.

Tudo isso por conta da migração, onde em dia de baile, subiam traficantes da zona oeste, parecendo que morro estava repleto de fuzil, mas na realidade era só maquiagem.


Na guerra do Juramento, o Ben 10 teve uma participação singela, auxiliando o Paulo Bigode nos confrontos diários.

Eles se abrigavam na Favela do Juramentinho, e a noite, subiam pela localidade do Rodo e iam até a Igrejinha para expulsar o ADA.

Como todos já vimos essa tática não deu certo e o ADA retomou o Juramento.

A grande derrota foi no dia que conseguiram matar o Paulo Bigode em confronto.

Ele e seu bonde foram “baquear” para achar os rivais do ADA, mas bateram de frente com um bonde do Complexo da Pedreira, que diziam ter mais de 20 bandidos.

O Paulo Bigode não recuou e travou uma batalha sozinho, mas o seu bonde correu do confronto, ficando apenas mais 2 seguranças.

O final todos sabe, ele foi baleado na cabeça e morreu no local.

Dizem que o Ben 10 estava nessa hora, e optou por recuar.

Já derrotados e acuados na Favela do Juramentinho, o Bem 10 e o traficante Orelha ficaram 
encarregados em retomar o Morro do Juramento.

Orelha do Juramentinho.
Mas a cúpula não queria o Ben 10 de frente, caso retomassem.

Não enxergavam um líder nele, e principalmente por ter participado do bonde que não conseguiu segurar o Juramento.

Mas o Orelha do Juramentinho foi capturado pela policia, e praticamente acabaram as esperanças do Comando Vermelho.


Hoje segundo informações, a retomada irá partir dos traficantes liderados pelo chefe Marcinho PV (preso) e o Juramento será dele.

Já o Ben 10 transita entre as favelas do Juramentinho e Complexo da Penha, pois no Engenho ele não é cotado á voltar.

Contra ele consta apenas um mandado de prisão pelo CNJ, expedido pela 23ª Vara Criminal.

E o Disque-Denúncia oferece uma recompensa de R$ 1 mil reais por informações que levem á sua captura.

Rogério 157 adota tática da Milicia na Favela da Rocinha

Os moradores já estavam reclamando sobre essa situação de taxas e pedágios, mas agora já caiu no conhecimento de grande mídia.

Em área pacificada o tráfico não consegue agir tão livremente como todos imaginam, e quando o reflexo cai sobre os lucros na venda de droga, os moradores que pagam á conta.

E assim vem sendo a administração do traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157 ou RG.

Ele virou o líder maior no tráfico da Rocinha, e aos poucos foi adotando as suas maneiras para lucrar com a comunidade.


Já liberou os roubos no entorno da Rocinha.

Já liberou a venda do "Crack", bem timidamente, mas você já consegue encontrar bocas de fumo que comercializam essa droga.

Agora estão extorquindo os moradores, com a cobrança ao melhor estilo "Meliciano".

Segundo as informações apuradas pelo Extra, o tráfico da Rocinha vem explorando os pedágios de circulação de Vans, tanto normal como escolar, assim como os mototaxistas da comunidade.

Nem.
Aumentaram o pedágio para todos, e os mototaxistas foram obrigados á aumentar a sua corrida.

Desamparados, só cabem aceitar e ficar de bico calado ou senão cai no tribunal do tráfico.

De longe, diferente da administração de anos do traficante Antonio Bonfim Lopes, o Nem ou Mestre (Preso), que era difícil ouvir alguma reclamação que fosse externada na mídia.

Carlinhos Três Pontes – Milicia Liga da Justiça

Carlos Alexandre da Silva Braga, ou conhecido como Carlinhos Três Pontes ou CL. Integrante da maior Milicia do Rio de Janeiro e atual chefe dos redutos Milicianos da zona oeste do Rio de Janeiro.

A origem de um Miliciano é incerta, mas na maioria dos casos são compostos por ex-policiais, bombeiros, deputados e vereadores. Assim foi o origem da Milicia.

O Carlinhos nunca foi um dos principais homens da Milicia Liga da Justiça, o grupo que tem mais influência na zona oeste.

Ele participou da formação e também da ascensão dos Milicianos Ricardo Batman e Tôni Angelo.

O Carlinhos ganhou o cargo de subgerente da Milicia em Paciência, uma espécie de gerente-geral, um cargo dado pelo Tôni Angelo.


Ficou encarregado em comandar a Milicia na Favela Três Pontes e Campo Grande.

Na ocasião os dois maiores líderes estavam detidos, que eram o Ricardo Batman e Toni Angelo.

Mas os dois entraram em atrito quando o Miliciano conhecido como Gão foi capturado, e a liderança precisava nomear outro membro pra comandar a Milicia na rua.

Suspeitando que o Toni Ângelo iria dar uma espécie de golpe no seu império, o Ricardo Batman nomeou o Miliciano Ricardo Gildes de Souza, o Dentuço, um homem de confiança.

Hamburgão e Dentuço
Com essa nomeação inesperada, o Toni não teve escolha e nomeou o Carlinhos Três Pontes para ser o número 1 da Milicia nas ruas, e essa decisão acabou em briga.

Batman e Angelo cresceram o olho no negócio que movimenta mais de R$ 1 milhão por mês nos bairros de Santa Cruz, Cosmos, Campo Grande, Pedra de Guaratiba e Sepetiba, e declararam guerra.

Toni Angelo.
Mas o time do Toni Angelo foi mais esperto e saiu na frente.

Por ordens de Toni, um grupo de 10 milicianos liderados pelo Carlinhos Três Ponte, sequestrou o Dentuço, e deu sumiço no seu corpo, que nunca mais foi encontrado.

Dai por diante o império do Tôni Angelo cresceu, e com o Carlinhos (CL) de frente nos negócios.

Batman.
E a Liga da Justiça rachou e começou a guerra dentro da Milicia.

O Carlinhos começou organizar invasões aos redutos do Batman, que assimilou o golpe e começou a trabalhar nas entre linhas.

Estranhamente, todos os negócios ocultos da Milicia começaram a aparecer na mídia e a DRACO começou a bater firme no grupo.

Dizem que o grupo do Batman usou a tática da “delação” para desarticular a quadrilha do Toni Angelo.

Carlinhos também foi responsável por expandir o império da Milicia nas Favelas do Aço e do Conjunto Cezarão, também em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Miliciano entrou na Favela do Aço


No Aço foi como tirar “Doçe de criança”.

Com um tráfico enfraquecido depois da morte do principal frente, o traficante Nariz de Chumbo, que foi morto à mando do Carlinhos também.


O Grupo do Carlinhos entrou e expulsou o tráfico da Favela do Aço. Em apenas 1 dia, eles realizaram uma missão que já batalharam por anos.

Para ganhar a confiança dos moradores do Aço, o grupo do Carlinhos apenas expulsou os traficantes e não executou. Alguns foram até aceito novamente na comunidade, mas como moradores.

Realizaram eventos festivos para os moradores com “tudo Free”, e aos poucos foram deixando esquecimento a administração do Terceiro Comando Puro.

Carlinhos Expulsou o CV no Cezarão


Já no Conjunto Cezarão a parada foi mais sinistra.

Como é um reduto comandado pelo Comando Vermelho e protegido por Antares e Rodo, foi uma guerra intensa pra Milicia entrar, mas entraram!

Conseguiram expulsar os traficantes do Comando Vermelho, e deixaram na saudade o reduto do traficante conhecido como “Coroa”, o homem responsável pelo Cezarão.

Até hoje (2015) o Comando Vermelho trava batalhas para retornar, mas sem sucesso!

A grande ambição do grupo do Carlinhos Três Pontes é dominar as Favelas do Rodo e Antares, também em Santa Cruz.

Ambição de entrar no Rodo e no Antares


Constantemente eles entram nas dua comunidades, e matam um traficante ou sequestram, torturam e depois somem com o corpo.

Com o tempo eles ganharam ajuda dos próprios traficantes do CV, que optaram por sair da facção e fechar com o grupo Paramilitar. Um exemplo, foi a entrada do traficante Léo do Rodo na Milicia de Campo Grande.

Provavelmente com o tempo e desorganização da facção CV, a Milicia consiga se instalar na comunidade, mas será uma guerra sangrenta.

Carlinhos já é um velho conhecido das autoridades, que vem monitorando seus passos dia após dia.

Carlinhos Três Pontes.
Ele possui um time de futebol amador e costuma acompanhar a equipe em todo lugar da zona oeste.

Dificilmente ele sai da Favela Três Pontes e Adjacências, e quando sai, sempre bem acompanhado com um bonde fortemente armado.


Ele já foi capturado por porte ilegal de arma e possui um mandado de prisão, expedido pela 42º Vara Criminal da Capital, pelo crime de formação de quadrilha e extorsão.


O Disque-Denúncia oferece à quantia de R$ 1 .000,00 por informações que levem até a captura do Miliciano.

Complexo do Chapadão. A nova faixa de Gaza

Depois que avisaram que irão pacificar o Complexo do Chapadão (CV) na zona norte do Rio de Janeiro, já começaram a "pipocar" matérias sobre a região.

O Balanço Geral fez uma matéria sobre a criminalidade nos bairros do Complexo do Chapadão, onde os moradores estão sofrendo com a alta da violência.

Roubos na pista e tiroteio são os crimes mais frequentes na região, principalmente no bairro de Guadalupe.

Assista a matéria completa sobre o Chapadão:


A Record costuma "bagunçar" tudo na hora de apontar os líderes do Complexo do Chapadão e da Pedreira (ADA).

Já cheguei a assistir matérias onde o jornalista afirmava que o traficante Playboy era chefe também do Morro do Chapadão (CV). Uma verdadeira desinformação.


Pra dar um adendo sobre o final da matéria do vídeo.

Playboy é líder nos Morros da Pedreira e Lagartixa apenas, e toma conta dos redutos e do financeiro do traficante Samuca ou Coroa (Preso).

Já por parte do Comando Vermelho, o Binho do Engenho (ou Bin Laden) apenas é um frente no Morro do Chapadão (CV) em Costa Barros.

As comunidades do Complexo do Chapadão tem a liderança dividida entre vários homens.

Os cabeças e líderes de toda a organização no Complexo, são os traficantes Ricardo Fú e Claudinho da Mineira, que tomam conta da facção á mando do Marcinho PV (Preso) líder do Complexo do Alemão e Penha.

Leia Este Artigo pra entender como funciona a Liderança do Complexo do Chapadão


Comerciante é executado à mando do Tráfico na Favela do Batan


Dizem que a Favela do Batan (ADA) é a única comunidade com UPP e que permanece pacifica e sem registro de delitos.

Mas, depois que o tráfico voltou para a comunidade, as execuções começaram acontecer pouco à pouco.

Ontem um comerciante foi morto à tiros no seu bar.

Moradores relataram que ele já vinha sendo ameaçado pelo tráfico no Batan, e que já chegou alertado a UPP sobre isso.


Segundo informações, traficantes à mando do Pixadão (chefe) entraram no Bar e executaram o comerciante.

Dizem que ele tinha uma proximidade com os Milicianos que dominavam completamente a comunidade antes da entrada da UPP.

A Policia Civil vai ouvir testemunhas, analisar as câmeras de segurança (se houver) e investigar o caso.

UPP é confirmado nos Complexos do Chapadão e Pedreira

Hoje a cúpula da Segurança Pública fez uma coletiva no Centro Integrado de Comando e Controle do Rio, para falar da inauguração da UPP na Roquete Pinto e Ramos em Julho desse ano.

O José Mariano Beltrame confirmou que colocará também uma UPP nos Complexos do Chapadão (CV) e Pedreira (ADA) em Costa Barros.

Primeiramente ele quer cumprir o cronograma inicial, que é ocupar o Complexo da Maré e instalar as unidades da UPP nas áreas da Milicia, Comando Vermelho e Terceiro Comando Puro.

Vai ser um trabalho duro.


Ele aproveitou e ressaltou o desejo de ocupar os dois redutos mais perigosos da Zona Norte atualmente, e que são dominados por duas facções rivais.

Ele já reconhece que será um trabalho árduo, pois o Complexo do Chapadão virou um Quartel General do Comando Vermelho, com centenas de bandidos distribuídos entre os Morro do Chapadão, Jobe, Torre, Bomba, Manhama, Coronel César Moreira, Himalaia, Sovaquinho, Cova da Onça, Criança Esperança, Bom Tempo, Final Feliz, Tiradentes, Pedra Rasa, Camboatá e Gogó da Ema.


Todas localidades que hoje estão dominadas pelo tráfico.

Veja o Artigo completo sobre o Complexo do Chapadão


Já o Complexo da Pedreira em Costa Barros é bem menor em número de localidades, mas tão perigoso quanto os rivais do Chapadão.

Hoje o Complexo é formado pelo Morro da Pedreira, Lagartixa, Quitanda, Terra Nostra, Final Feliz e estende para o bairro de Barros Filho, começando pela comunidade do Chave, Eternit, Joana D'Arc, Proença Rosa e Mundial.


Além de expansões em áreas de bairro residenciais, como no Parque Colúmbia e na Fazenda Botafogo.

Artigo completo sobre a criminalidade no Complexo da Pedreira


Ocupar essa área vai ser um trabalho duro para a Secretaria de Segurança, mas acredito que vão começar pelo coração dos dois complexos, os morros do Chapadão e Pedreira.

Agora, já sabemos que os dois complexos são forte e com uma quantidade considerável de traficantes.

Quando a UPP entrar, pra qual comunidade essas duas facções irá migrar?

Deixe seu comentário abaixo.

Disque Denúncia Aumenta o Valor pela Captura do Marcelo Piloto

Quem lembra do Marcelo Piloto, ex-chefe do tráfico nas comunidades do Mandela e grande articular do Comando Vermelho?

Pois é, se você esqueceu, as autoridades não!

Depois da "pacificação" do Complexo de Manguinhos (CV) na zona norte do Rio de Janeiro, nunca mais se ouviu falar do Marcelo Piloto. Praticamente sumiu.

Houve relatos das suas andanças nas comunidades da Maré, Rodo e Niterói, mas nada confirmado.

Marcelo Piloto ou Primo
A Policia ficou no seu encalço e tiveram uma pista do seu paradeiro fora do Rio de Janeiro.

O setor de inteligência já estava suspeitando que o Marcelo Piloto estaria "matutando" (fornecedor) drogas e armas para o Comando Vermelho, e agindo fora do Rio de Janeiro.

Depois que capturaram o José Benemário de Araujo, o Benemário ou Coroa, a suspeita que o Piloto estaria no Paraguai cresceu.

Benemário ou Coroa
Agora as autoridades tem quase certeza que ele está atuando nos "Bastidores" do Comando Vermelho, e teria voltado as suas origens.

Com o cerco feito em São Gonçalo e no Complexo do Caramujo em Niterói (QG operacional do CV) eles chegaram na pista que o Piloto está com novo cargo na facção.

Sua função não é mais de liderar o tráfico de alguma favela, mas de trazer armas e drogas de fora do Brasil, assim como de organizar quadrilha de assaltos á banco, estabelecimentos comerciais e cargas.

Tudo isso para fortalecer a famosa "caixiha" da facção.

Sendo assim, o Disque-Denúncia aumentou o valor da sua captura, que passou de R$ 2 mil para R$ 10 mil reais.

Ele possui uma extensa ficha criminal, com mais de 20 anotações.

Veja Aqui como foi a ascenção do Marcelo Piloto no Comando Vermelho

Matéria do Flagra nas Bocas de Fumo na Vila Aliança

De longe a Vila Aliança (TCP) é a comunidade mais pacifica do Rio de Janeiro.

Nem tanto pelo tráfico que atua normalmente, mas pelas constante operações Policiais, que são feitas para capturar o traficante Rafael Alves, o Peixe ou Flamengo, chefe do tráfico na Vila Aliança.

Um cinegrafista amador conseguiu flagrar algumas bocas de fumo na Vila Aliança, onde são vendidas as drogas que abastece o Bolso do Peixe.

Lá vende crack, maconha e cocaína, fugindo da ideologia inicial do TCP, que era não vender crack.


Mas quando o bolso aperta, o quê importa são os lucros, para pagar os comparsas, comprar drogas e armas.

Na matéria os moradores dizem vivem num ambiente tenso, dominado pelo tráfico.


Houve um equivoco por parte do "ancora" da matéria, pois ao contrário do que foi informado, o traficante Peixe é exatamente ao contrário do que ele afirmou.

Segundo os próprios moradores da Vila Aliança, o Peixe é um sujeito tranquilo que pouco se envolve com a comunidade.

Ele faz o possível para não entrar em desacordo com a comunidade, pois sabe que seria presa fácil para denúncias.

Ele age ao contrário.

Tenta ser um anônimo na comunidade, mesmo sendo nascido e criado na Vila Aliança.

A população da Vila Aliança é ciente que a policia está atrás do Peixe, e vão captura-lo de um jeito ou de outro.

Peixe ou Flamengo.

Mas o temor maior dos moradores, é que o Peixe Caia e outro traficante assuma o posto de líder na comunidade.

Os moradores torcem para que a comunidade não vá novamente para as mãos do traficante Marcio da Silva Lima, o Tola (Preso).

Tola está preso desde 2009, quando era o chefe da Vila Aliança, mas teve que fugir para fora do estado.

Na ocasião, os moradores tinham pavor dele, pois o mesmo mandava matar á qualquer custo, inclusive por cor de roupa ou música no som do carro.

Contudo, os dias do Peixe na Vila Aliança estão contados.

Caso aconteça, futuramente está por vir um confronto bem pior, e possivelmente entre a mesma facção.

Vamos aguardar.

Morro do Estado fechado depois da morte do Lequinho

O Morro do Estado (TCP) em Niterói permaneceu com os comércios fechados e o clima tenso desde ontem.

Acontece que na madrugada dessa segunda-feira, um policial foi baleado no Morro do Estado, foi socorrido, não aguentou os ferimentos e morreu no hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca.

A Policia Militar tomou um revés, mas deu um golpe considerável na hierarquia do bagunçado tráfico do TCP no Morro do Estado.

Conseguiram abater o traficante Alex da Silva Júlio, conhecido como Lequinho, e o seu fuzil foi apreendido.


Lequinho ocupava o cargo de gerente no Morro do Estado.

Durante todo o dia de hoje, os bandidos do TCP desceram para o asfalto de motos, obrigando os comércios em fechar as portas, para simbolizar um LUTO pela morte do Lequinho.

Acompanhando o ritmo do tráfico no Estado, é mais fácil eles trocarem tiros entre si novamente do que atacar a policia para se vingar.

Lequinho.
E por falar em hierarquia do tráfico no Estado, parece-me que os bondes do Anão e dos Crias se entenderam, e se dividiram entre o Estado, Arroz e Chácara.

Para os integrantes dos "bonde dos crias", essa foi a única alternativa pra tomar pouco prejuízo nessa briga interna, pois já saíram como errado na história e não tiveram apoio dos líderes do TCP.

Quem ficou do lado dos "crias" foram apenas os traficantes do Complexo da Maré, que desobedeceram o traficante Facão (Chefe da Maré) que ficou do lado do Traficante Anão.

Uma verdadeira bagunça!

Bandidos do Chapadão ameaçando o Playboy e a Policia

Estava até estranhando que esses vídeos não caíram na mídia ainda.

Claro que uma hora ou outra, algum canal de televisão iria repercutir sobre esses vídeos do bandido conhecido como Macaco Louco.

Nas redes sociais já está bastante conhecido, onde faz os seus vídeos visivelmente alterado, mandando recado para o rival Playboy, chefe do tráfico no Complexo da Pedreira.

No total são três vídeos, que correm aos quatro cantos da internet.


O SBT Rio fez uma matéria sobre os vídeos, e situação da violência no Complexo do Chapadão, um conjunto de comunidades dos bairros de Costa Barros, Pavuna, Guadalupe, Anchieta e Ricardo Albuquerque, na zona norte do Rio de Janeiro.



O SBT Rio abordou bem por cima o caso, mas abaixo estão todos os vídeos originais desse bandido com vulgo de Macaco Louco.




 Nesse vídeo aqui se a pistola tivesse com defeito (ou não) seria um lindo "HeadShot". né não?

 

Agora esse aqui é bem "intimidador". (risos)

Chega até te fazer a fechar o navegador da internet, com medo de tomar um "tirão de 62" pela sua tela do computador.

Cuidado, ele dá tiro de Parafal com uma mão só!



Brincadeira á parte, é lamentável ver a degradação do ser humano.

Sem dúvidas esse sujeito ou esta totalmente drogado, ou tem alguma deficiência, ou simplesmente é seu estado normal mesmo.

Pode ser que nem seja bandido também, e é só uma forma de diversão dos bandidos do Chapadão, usando um "Bucha" (sem envolvimento) para intimidar os rivais pela internet.

Se é ou não, esse ganhou uma mídia nas costas e consequentemente, um alvo nas futuras operações no Complexo do Chapadão.

Diga-me, no mundo quase que 100% Globalizado e cm milhões de usuários na internet, qual a vantagem de se "explanar" de graça usando as redes sociais, sabedor que é fácil para policia identificar e prender?


Só digo uma coisa:  " - Não tem tintas acrílicas e nem Suvinil.. " 

A Origem do Império do CV no Alemão e Penha, entrada da UPP e formação do PCR

Recebi um texto interessante, que foi enviado por um leitor, morador do Complexo do Alemão na zona norte do Rio de Janeiro.

Ele retratou bem como se formou o império criminoso do Comando Vermelho nos Complexos da Penha e Alemão. 

Relatou a ascensão de alguns bandidos, conhecido na história do tráfico do Rio de Janeiro, e como se formou esse grupo Revolucionário que tem a ideologia de retirar a Policia Pacificadora do conjunto de comunidades do Alemão e Penha.

A história é bastante interessante e vale á pena a leitura.

Só para esclarecer, o relato foi enviado por um morador e não sei a origem desse texto.

A Origem do Império Criminoso no Complexo do Alemão e Penha


" Mg (sou eu) vou contar uma historinha resumida que achei interessante sobre o complexo do alemão , sobre tudo que já ouvi e alguns que vivi por aqui , as mais antigas, é claro.

Só sei através de historias que são sempre contadas dos mais velhos para os mais novos sempre que faltava uma luz, ai gravei e vou te repassar. "


A Origem


Antes de o comando vermelho dominar a maioria das favelas do rio de janeiro existiam bandidos que vendiam suas drogas sem fazer parte de facções nos morros, aqui não era diferente, a boca na localidade das casinhas possuía um chefe que era diferente do chefe da fazenda, matinha, mineiro, Caboco, areal, alvorada, nova Brasília, adeus, alemão e assim vai.


Quando a falange vermelha saiu dos presídios e começou a ocupar as favelas neutras, esses bandidos tinham que se aliar a alguém para não morrerem, um dos "braços direitos" do fundador “Bagulhão”, era orlando jogador ex jogador do olaria e que tinha muita influência nos bairros em volta do alemão, matou o seu chefe (China) e assumiu suas bocas no morro do alemão e Pedra do Sapo.

Junto com seu aliado Chico Bala conseguiu dominar através de negociações a parte norte em volta do morro do alemão e um pedaço da vila cruzeiro na penha e os bandidos da parte sul que permaneciam neutros era atacado diariamente.

Até que Orlando matou os dois bandidos mais influentes da parte sul (Zezinho e lampião) e dominou todos os morros em volta do morro do alemão e alguns mais a frente, era um império gigante e ele administrava tudo bem de perto.

Orlando Jogador.
Após a saída de Chico bala do trafico assumiu todas as bocas do Complexo, dificilmente recrutava menores de idade para sua quadrilha normalmente mandava os jovens estudarem e irem pro exército e depois voltarem, um dos poucos jovens que ele aceitou que entrasse para o tráfico foi (Uê) filho de um antigo amigo no morro do adeus.

Após a morte deste amigo, Uê entrou de vez para o tráfico, negociou com jogador e com o passar do tempo ganhou a gerencia do morro do adeus.

Dizem que Orlando devia favores ao pai de Uê, por isso aceitou a proposta, mas Orlando estava sempre de olho em uê.


Quando foi preso o traficante (fiel) assumiu o posto de frente do complexo do alemão e Uê do Adeus, não sei qual foi o fim de fiel , mais logo que Orlando voltou , voltou querendo tudo que era dele, inclusive o morro do adeus.

Uê sabendo disso armou uma emboscada e matou Orlando na localidade do Bulufa na favela da grota e arrastou seu corpo pela Alvorada e Fazendinha, sem entender o motivo a cúpula do C.V não fez nada contra Uê.

Criação do CVJ - Um Subgrupo dentro da facção



Então alguns jovens que já eram bandidos se reuniram e formaram uma sub facção (Comando Vermelho Jovem) ou (C.V.J) onde os chefes era os bandidos (Marcinho PV ou Pivete , Fernandinho beira-mar ou BM e Elias Maluco da penha) o C.V.J comandava a parte norte do complexo do alemão e a vila cruzeiro, a parte sul era do Comando Vermelho que eram aliados e o Adeus era do uê e seus novos amigos do Terceiro Comando.

Elias Maluco.
O T.C chegou a tomar parte da favela nova Brasília e permanecer por 2 dias mais foram expulsou pelo C.V.J que combatia o Adeus. As partes norte e sul do complexo eram comando vermelho, porém com chefes diferentes, o morro do adeus estava muito bem armado, os inimigos do alemão tentavam todos os dias subir e não conseguiam.

O C.V.J se espalhou rapidamente pelas favelas do comando vermelho sendo que serviam como um exercito para invasões a morros rivais , diferente do complexo do alemão que era como uma sub facção,

Marcinho PV.
Em algum momento da década de 90 os comparsas do alemão se acertaram e para não causar uma futura briga interna fundiram de novo e o C.V virou C.V.R.L, homenagem ao fundador da falange vermelha.

Uê recrutou algumas das quadrilhas da zona sul que viviam em confronto, e as que não foram para o lado de uê, viraram Comando Vermelho.

Como o C.V.R.L do complexo invadia o adeus dando prejuízos diários ao T.C, o Uê e alguns bandido de parada de Lucas foram para a penha e invadiram uma das comunidades de Elias maluco, que teve que dividir as forças e botar mais homens na vila cruzeiro tirando seus comparsas da área do Marcinho (o T.C ficou com o grotão se eu não me engano).


Então as guerras eram constantes na penha e no Adeus ate que a policia iniciou sua caçada e foi prendendo aos poucos os bandidos envolvidos na "guerra do alemão".

Todos os principais envolvidos foram presos mais a guerra continuou após a prisão dos antigos chefes do C.V.J no alemão, o traficante Tota assumiu o complexo a pedido do Marcinho, já no adeus apos vários golpes, o DJ e jacaré assumiram o morro total.

Eram sanguinários, matavam tanto os rivais como os comparsas, era rejeitado pela comunidade por matar por qualquer coisa.

A formação do QG no Complexo do Alemão



Em 2005 com o enfraquecimento do Morro do Adeus devido a varias mortes de chefes e pelas guerras A.D.A Vs T.C.P, o Tota tomou o morro através de um golpe dado pelo traficante Mata Rindo que logo ficou de frente no adeus, e perdeu o morro sendo acolhido na nova Brasília.

Em 2007 a Milícia tomou o adeus de novo e tirou das mãos do A.D.A, e viu que a comunidade não dava o lucro que esperavam então as venderam para um traficante do morro vizinho ao adeus (Morro da Baiana) e Mata Rindo e Luizinho da Baiana ficaram de frente no morro e assim acabou a guerra de 17 anos do complexo do alemão.


Após a morte do irmão do Tota na localidade do Bulufa (onde morriam muitos bandidos, pois batiam de frente para impedir a chegada de policiais no Areal que é o coração da favela) o Tota ficou mais sanguinário do que já era com a morto do seu irmão Roberto.

Com tantas mortes de bandido e morador na conta do Tota, seus comparsas queriam tira-lo do poder, como sabiam que não tinha outra maneira, aconteceu a "cobrança dos crias" e mataram o Tota dizendo que ele planejava dar golpe e vender o complexo do alemão para rivais.  

Jansen que era seu fiel segurança, tentou defende-lo e também morreu queimado e o novo chefe veio a ser o traficante Luciano Martiniano, Pezão e o Gão, que fizeram uma festa para comemorar a morte do Tota.  

Apos vários pedidos dos chefes do trafico do alemão presos, para serem transferidos por falharem, ordenaram que os bandidos do C.V.M.M (comando vermelho do Marcinho e maluco penha/alemão) fizessem atos terroristas pelo Brasil.

Tota
Em resposta, o governo ocupou as duas favelas e foi aquilo que todos já sabem.

Marcinho mandou seu bonde enfrentar, e o Pezão marcou uma reunião na Sabino para decidir o que seria feito, mas não apareceu na reunião, então as maiorias dos traficantes saíram da favela como pessoas comuns, deixando as armas e dinheiro enterrados na mata, e os chefes mais procurados saíram de Caveirão e alguns de terno, pois no dia havia um casamento e cultos na favela (foi tal de Pede Pede terno).

Pezão.
A maioria dos tiros que eram dados para cima do exercito, eram de crias da favela que achavam os fuzis no chão e atiravam (desses crias só no Bulufa foram mais de 20 pro ralo) o tempo passou e foi instalada a UPP, sendo que o trafico saiu da favela no Maximo 1 semana.

Complexo do Alemão pós entrada da UPP


O novo frente a mando de Marcinho foi o traficante 2D, que era seu contador na época, deixando o cargo para passarinho. O traficante Pezão ainda era acima de 2D na hierarquia, mais comandava de longe.


Um moto-taxista da grota foi esculachado na noite de natal e perdeu sua moto, que não estava com o pagamento em dia, este se revoltou e virou bandido.

Como era cria e não vacilava, ficou de frente no areal. Seu irmão mais novo também era esculachando, principalmente pelo policial conhecido na favela como (Oclinho) adorador de demônios, que diz que quando entra na favela entra com Oxalá ou Alá.

Não sei, mais iria só pra matar.

Esculachava muito os jovens, este irmão do Putão (gerente do Areal) então decidiu que queria matar Oclinho, mais não queria entrar para o tráfico.

Formação do subgrupo PCR


Então o Putão que percebia que os jovens estavam revoltados, disse ao seu irmão para chamar alguns que conhecia para lutar pela favela, sendo financiado por ele, isso tudo com o conhecimento do Marcinho , Pezão e 2D.


Na primeira semana tinha 10 na segunda 30 depois de 2 meses o P.C.R (Primeiro Comando Revolucionário) já tinha se espalhado por todo complexo do alemão e penha.

Vendo que isso podia seguir em frente, os chefes dos complexos enviaram os garotos a são Gonçalo onde treinaram com os principais "tiroteios" do comando vermelho (Pixote , Marreta etc) quando voltaram, a intenção já não era mais matar só Oclinho e sim todos policiais da UPP.

De pouco a pouco foram matando e a culpa sempre caia pra cima dos bandidos do comando vermelho.

Os jovens não traficavam, tinham salários fixos e ganhavam cerca de 10 mil com policiais feridos e dobro pelos policiais mortos

As armas desses jovens sempre são bem alinhadas e personalizadas, enquanto os dos policiais são na maioria das vezes velhas e enferrujadas.

Quando tem um jovem que se diz Revolucionário na mira a arma trava ou erra o tiro, pela mira desalinhada e pelo mau treinamento.

A criação desta sub facção irritou a policia que considera todos como traficantes e passou a pressionar mais os jovens na comunidade.

Piná e 2D

Apos a prisão do Passarinho , 2D e pouco depois do Putão, o frente se tornou o traficante Orelha, que foi preso certa vez na operação Uranus e solto um dia apos por um Habeas Corpus.


Hoje é o 2º maior procurado do rio mais dificilmente se ouve falar nele dentro do Complexo e na mídia.

--

Deixa sua opinião sobre o relato acima.
loading...