>
NOVOS ARTIGOS ABAIXO
LENDO

Milicianos e traficante do CV travam confrontos na Fernão Cardim

Longe dos olhos da mídia e com pouca repercussão, o Comando Vermelho conseguiu se instalar temporariamente no Conjunto do Fernão Cardim em Del Castilho, expulsando os Milicianos.

Estão rolando confrontos frequentes na Fernão Cardim. Sempre entre traficante, Milicianos e policiais.


Traficante da Bandeira 2 (CV) e do Engenho da Rainha (CV) estão sustentando essa guerra, em conjunto com bandidos do Mandela.

Mas hoje a Policia decidiu ocupar à Fernão Cardim, e por fim de vez no controle dos bandidos.

Já morreu um soldado do comando vermelho no confronto, onde caiu na Rua do Valão, onde o confrontos são mais intensos.

Ontem os Milicianos executaram um bandido conhecido como Alfredinho do Mandela, gerente da favela Bandeira 2, na invasão que o grupo tentou na comunidade.

Para vingar à morte do gerente da Bandeira 2, o Comando Vermelho entrou novamente na Fernão Cardim, e houve mais um intenso tiroteio.

Hoje a Fernão Cardim permanece ocupada por policiais, que fecharam os acessos a Linha Amarela e Avenida Brasil, para não deixar nenhum traficante fugir.

Fato é que, o grupo da Milicia está tentando expandir no Complexo de Del Castilho, e as comunidades da Bandeira 2 e do Engenho é uma meta.

Em resposta, os bandidos dão ataques premeditados nos redutos dos Milicianos, para mostrar que não estão fraco no confronto.

Com a ocupação da policia nas entradas da Fernão Cardim, é possível que o Comando Vermelho nem tente mais nada naquela comunidade.

E vão começar a se proteger na Bandeira 2, que é uma favela pequena e sem muitas saída, mas o tráfico recolhe bons lucros nas vendas de drogas.


Já os Milicianos vê aquela comunidade como um setor lucrativo, que pode recolher bom fruto com a extorsão de moradores, controle de Gatonet, Gás e transporte coletivo. Prática comum da Milicia.

CV tenta retomar o Morro do Jorge Turco

Inesperado por todos, mas a guerra pelo Morro do Jorge Turco ainda continua aberta entre as facções.

Nessa semana aconteceu vários confrontos entre Comando Vermelho e Amigos dos Amigos , pelo controle do tráfico.

Segundo informações, no ultimo confronto, traficantes do Morro São José Operário (Barão) entraram para expulsar os rivais da facção ADA.

Quando adentraram nas entradas do morro, não encontraram um efetivo dos rivais, que no momento estava trocando de plantão entre os traficantes.

Por um momento, o morro permaneceu com bandidos do Comando Vermelho na comunidade, mas quando os bandidos rivais tiveram o conhecimento que o CV estava na comunidade, um grupo grande foi deslocado.

Mas os bandidos do CV optaram por recuar e não confrontar os rivais.

Ontem aconteceu um novo confronto entre o bandidos, mas dessa vez o batalhão e o BOPE foram acionados para evitar o confronto.

O saldo foi três bandidos baleados, e teve um que não resistiu aos ferimentos e morreu.

Foram abatidos no momento que tentava sair do Jorge Turco roubando um veículo, mas foram surpreendidos pela guarnição.

Segundo relatos, os bandidos eram pertencente à facção Comando Vermelho.

Por um momento os acessos do Jorge Turco ficaram ocupado pelos policiais do 9ºBPM (Rocha Miranda) e não houve nenhuma troca de tiro entre os traficantes.

Mas é cedo afirmar que não terá mais confrontos, porque a missão dos bandidos ligados ao traficante Luis Claudio Machado, o Marreta, é retomar suas bocas de fumo.

Provavelmente teremos novos confrontos no decorrer do dia.


Mas o controle da comunidade ainda permanece nas mãos da facção Amigos dos Amigos (ADA).

Milicia entra de noite na Favela da Galinha

Ontem chegaram relatos que estava acontecendo uma operação na Favela da Galinha em Inhaúma, na zona norte do Rio de Janeiro.

Mas de fato, não houve nenhuma operação oficial naquela comunidade.


Segundo relato dos moradores da comunidade eram membros da Milícia, que entraram novamente para mapear á comunidade.

Como já informado aqui nesse espaço, uma Milícia conhecida como Águia de Mirra, está investindo forte para retomar alguns redutos e entrar em outros.

No mapeamento dessa Milícia, a favela da Galinha é uma das metas, assim como o perigoso Morro do Engenho da Rainha, que fica bem próximo também.

Digo perigoso porque é uma comunidade comandada pelo Comando Vermelho, com um ritmo de fuzis e soldados armados, bem complicado de entrar e não trocar tiros.

Ontem rolou um pequeno tiroteio na Galinha, mas nada de tão alarmante.

Segundo informações, os Milicianos já se retiraram da comunidade.

Policia prende Pixote da Coruja


Chegou ao fim a caça pelo chefe do tráfico nas comunidades de São Gonçalo e Niterói.

Hoje os policiais da 34º DP (Bangu) capturou nessa quinta-feira o traficante Wallace Batista Soalheiro, o Pixote, de 29 anos.


A prisão aconteceu no bairro do Barreto, e o Pixote já estava sendo monitorado há algum tempo pela policia civil.

Ele estava liderando diversas guerras por territórios em Niterói, como a recente tentativa de invadir a comunidade da Otto na Engenhoca, em Niterói.

Na ocasião o traficante tinha tomado o reduto e estava recrutando o chefe do tráfico da Otto para o Comando Vermelho. Nessa guerra, rolou até um áudio do Pixote tentando recrutar o rival.


No final de tudo, a facção ADA conseguiu retomar a favela da Otto.

Com essa importância com o Comando Vermelho em São Gonçalo e Niterói, a policia ficou no seu encalço.

Por fim, hoje, efetuou a prisão e praticamente aplicou mais um golpe duro na facção do Comando Vermelho, e no conjunto de comunidades que o Pixote era responsável.

COE faz operação no Complexo do Caramujo em Niterói


Hoje de manhã os policiais do COE (Comando de Operações Especiais) entraram para quebrar o tráfico no Complexo do Caramujo em Niterói, um reduto dominado pelo Comando Vermelho.

O motivo da operação era para apreender e recuperar veículos roubados.

Conseguiram recuperar seis veículos roubados, um Jetta preto, duas motocicletas XRE, uma Twister e uma Honda CB300.


Com ajuda dos BAC, ainda acharam drogas escondidas no interior da comunidade.

Além do COE, a operação contou com os policiais do BOPE, Batalhão do Choque e BAC.

Nós sabemos que o Complexo do Caramujo é um conjunto de favelas bem importante para o Comando Vermelho, em termos de negócios, como a distribuição de drogas e armas.

Como na capital a UPP está sufocando o tráfico nas principais comunidades do Comando Vermelho, e outras estão sendo sufocada dia após dia, como o Complexo do Chapadão em Costa Barros.

Agora a tática é diferente.

A distribuição começa de cima pra baixo, ou seja, vem da Região dos Lagos, Niterói, São Gonçalo e por fim, a distribuição nas favelas da capital.

Para comprovar a importância do Complexo do Caramujo para a facção, há algum tempo atrás a policia estourou uma reunião entre "matutos" do Comando Vermelho, que estariam acontecendo no interior da comunidade.

Por sorte dessa facção, mataram alguns frentes da cidade do Rio de Janeiro, mas não atingiram o alvo principal.

Segundo a inteligência da policia, inclusive o Caramujo virou um dos redutos do Luciano Martiniano da Silva, o Pezão, ex-chefe do tráfico no Complexo do Alemão, que é o braço direito do Marcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho PV, líder principal do Comando Vermelho.

Ao contrário que muitos leitores pensam, as autoridades estão de olhos bem abertos para o ritmo do tráfico em Niterói, São Gonçalo, Cabo Frio e a Baixada Fluminense em geral.


Ricardinho da Mangueira é capturado no Espirito Santo

Policiais do 45 DP (Complexo do Alemão) capturaram o ex-chefe do tráfico no Morro da Mangueira, na zona norte do Rio de Janeiro.

Ricardo Gonçalves da Silva Gomes Junior, o Ricardinho, de 23 anos, era apontado como líder do tráfico para a família “Monteiro”, antes de acontecer à guerra interna na Mangueira no ano passado.

Ele foi capturado na Quarta-feira em Guarapari, no Espírito Santo.

Ele era filho do traficante Ricardo Coração de Leão, um bandido antigo do Comando Vermelho, que liderava a Mangueira.

Como a hierarquia da Mangueira era por escalar família, com o tempo, o Ricardinho assumiu o posto de chefe, dividindo com liderança com outros traficantes.

Ele foi o cabeça para dividir o tráfico na Mangueira, quando não aceitou entregar o morro assim que foi divulgado que o Polegar tinha saído do crime e se juntado á ONG Afroreggae.

Na cabeça da cúpula da facção, sem o Polegar na liderança do morro, o cargo deveria ir para outro traficante que lutou pela Mangueira, e que ajudou a retomar o morro para o CV na década de 90.

E quem lutava para ganhar a totalidade do morro era o traficante Marcelo Fonseca de Souza, o Marcelo Xará, que ainda continua preso.

Quando estouro á guerra no Morro da Mangueira, o Ricardinho optou em fechar com outra facção, que na época era o Terceiro Comando Puro.

Dias e dias de guerra, e não conseguiram se firmar no controle do morro.

Sendo assim, o Ricardinho optou por sair do Rio de Janeiro e abandonar esse confronto.

No final, os planos do traficante Léo 22 (oriundo da Mangueira) não deram certo, e pra finalizar, executou grande parte do seu bonde que foi recrutado na Mangueira, em seguida, se entregou para a Policia.

O Ricardinho já era procurado e o Disque Denúncia oferecia a quantia de R$ 1.000,00 por informações que levassem á captura do traficante.

Segundo boatos de dentro da Mangueira, possivelmente terá outra troca de comando pela comunidade.


A união traçou os planos futuros da facção ADA

Muitos leitores questionam, de onde vem essa força que a facção Amigos do Amigos ganhou para invadir as comunidades dos rivais no Rio de Janeiro.

Sabemos que ano atrás, a facção ADA era um grupo rachado, divido entre vários chefes, onde um não ajudava o outro. Exemplo, guerra no Complexo da Maré em 2009, quando o ADA foi escorraçado e empurrado pro Caju.

De lá pra cá, permaneceram “cada um no seu quadrado”.

Até que o império do traficante Edmílson Ferreira dos Santos, o Coroa, foi tomado e sem força para retomar, começaram a traçar planos para reerguer seu grupo.

Não é segredo pra ninguém, mas o homem eleito para reerguer o grupo do Coroa, foi o hoje conhecido, traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy.

Antigamente não passava de um bandido de assalto à mão armada, que era integrante do Terceiro Comando Puro, e negociava armas com o Fernandinho Guarabu do Morro do Dendê, na Ilha do Governador.

Já no ADA e saindo da cadeia em 2009, seu destino foi a região de Costa Barros, na zona norte do Rio de Janeiro.

De um simples frente, que respondia as ordens do Coroa, hoje é seu braço-direito, general e homem de confiança. E dizem que até um membro da família.

Qual foi a tática do Playboy?


De acordo com informações, como era oriundo do famoso crime de “157”, o Playboy montou uma quadrilha treinando, bem armada e de confiança, apelidados de série “A” e “B”.

O grupo que integrava a série A, roubava cargas e mercadoria valiosas.

O grupo que integrava a série B, ficava encarregado em roubar coisas pequenas, como motos, carros e vans, que na maioria das vezes eram usadas para dar “baque” nos rivais.

Quem liderava o grupo, era o traficante Jorge Michel Luiz, conhecido apenas como Michel. Ele foi capturado anos depois pelos policiais do 40º BPM (Campo Grande) em abril de 2013.

Outro bandido desse grupo de assaltantes, era o traficante Vanilson Venâncio Gomes, o Tida, que hoje ocupa um cargo de responsabilidade nas favelas da Proença Rosa e Mundial, recém tomadas pelo ADA.

Enchendo os cofre da facção


De 2009 até hoje (2015), foram roubos atrás de roubos, assaltos atrás de assaltos, e a empresa Souza Cruz era o alvo principal da quadrilha do Playboy.

De vez em quando, o grupo organizado pelo Anderson da Silva Verdan, o Bamba (preso) ia na Baixada Fluminense e roubava “Caixas Eletrônicos”, com uma retroescavadeira.

Bamba
Tudo para engordar os cofres da facção, principalmente do Coroa, para investir em futuras invasões.

Eles comercializavam as drogas como qualquer outra facção no Rio de Janeiro, mas os roubos a carga era lucro garantido em poucos dias.

Segundo informações, uma carga de cigarro da Souza Cruz, poderia repassada facilmente no mercado negro, por um preço módico de R$ 120.000,00.

Dinheiro que era revertido para pagar “arrego” e comprar armas para o arsenal do Complexo da Pedreira.

Reforços Chegaram


No decorrer desses quase 6 anos, reforços foram agregando nos planos do Playboy.

Traficante como Carlos José Fernandes, o Arafá, e Gilberto Mendes Dias, o Betinho, ganharam a liberdade e agregaram no grupo criminoso de Costa Barros.

Arafá
Especialmente sobre o Arafá, ele é um bandido antigo na facção, e tinha um temperamento explosivo, chegando matar muitos policiais antigamente.

Chegou até a perder dedos da sua mão, quando tentou jogar uma granada em uma viatura da policia.

Mais velho e com mais experiência, ele recusou o cargo de número 1 no Complexo da Pedreira, e aceitou administrar as bocas das favelas do Fina Feliz (Pavuna) e Terra Nostra.

Segundo informações, de todas as bocas de fumo do Complexo da Pedreira, pela sua localidade, a boca da Favela do Final Feliz da Pavuna é a que colhe mais lucros nas vendas.

Perdas aconteceram também


Como a vida bandida é ingrata.

Traficantes do bonde do Playboy, ficaram pelo caminho, assim como o segundo homem da hierarquia, o traficante conhecido como Revoltado.

Revoltado
Ele era oriundo da Favela do Acari, participou da união TC e ADA, e na separação, preferiu ficar do lado do Linho (morto) na facção ADA.

Por direito, ele seria o número 1 no Morro da Pedreira, mas assim como o Arafá, também recusou o cargo e deixou para o Playboy.

As Primeiras Invasões


Os planos do Coroa era que o Playboy levantasse as suas favelas, como o Complexo da Pedreira e o Complexo do Caju na zona portuária, em seguida, retomasse as comunidades do Para-Pedro, Muquiço, Jorge Turco, Juramento e Complexo da Maré.

Todas perdidas para as facções rivais, depois que o Coroa foi capturado em 2005.

Foram realizadas algumas investidas nessas favelas citadas, mas não passou de “baques fracassados”, que só resultou em perda de soldados e armas.

E para piorar a situação do Playboy, ele arrumava conflitos com os “Policiais do Arrego”, que são os corruptos que facilitam a entrada de uma facção, mediante à uma quantia em dinheiro.

Um exemplo, a retomada do Jorge Turco no ano de 2012.

Bebezão
Na liderança do traficante Jorge Araújo Vieira, o Bebezão dos Macacos, conseguiram invadir e permanecer no Jorge Turco em Rocha Miranda.

Mas por um desacerto, conseguiram perder o controle do morro em poucos dias e tiveram que sair as pressas da comunidade.

Sem dúvidas que essas investidas as cegas, irritou o traficante Coroa, que tratou de reordenar novo planos de expansão.

Planos saindo do papel


De uma forma até estranha, algumas comunidades caíram no colo dos bandidos do Complexo da Pedreira.

Um exemplo foi o Morro do Chaves em Barros Filho, na zona norte do Rio de Janeiro.

Uma comunidade comandada pelo CV, com um tráfico bem fraco e com pouca assistência da facção, e o pior, maltratavam os moradores da região.

O grupo organizado pelo Playboy e Arafá, conseguiu invadir o Chaves e expulsar o Comando Vermelho.

Depois da invasão do novo reduto da facção, praticamente esses traficante ganharam forças e investimentos para expandir ainda mais os redutos do Coroa.

E de fato expandiram!

Mais investimentos para se mexer


Mesmo com o Morro do Chaves sob controle, o Coroa estava insatisfeito com os seus subordinados, pois foram realizados investimentos para planos maiores.

Eles foram expandir em Belford Roxo e São João de Meriti, mas me parece que também não agradou a cúpula da facção.

A obsessão do Coroa, era a retomada do império que foi tomado pelos rivais.

Do Chaves, traçaram planos para entrar na Proença Rosa e Mundial, em seguida entrar na favela da Palmeirinha (CV) para finalmente tentar retomar a Favela do Muquiço em Honório Gurgel.

Com os planos traçados, todo o investimento de 6 anos em roubos foram colocados em prática, como à compra de fuzis e munições.

Até recrutaram os rivais para as invasões, com a frase “O muro tá baixo” que repercutiu no Rio de Janeiro.

Mas como iriam entrar no Jorge Turco e Juramento, redutos do Comando Vermelho e fortemente armado e com auxilio de grandes complexos?

Simples, se unindo com uma facção que estava desunida.

União para invadir comunidades


Com uma atitude que poucos acreditariam, o traficante Playboy decidiu reatar os laços de amizade, e também fortificar outros.

Negociou com bandidos do Morro do 18, conversou com líderes do Complexo do São Carlos, Rocinha e Vila Vintém.

E segundo indicio, todos os envolvidos nas invasões, ganharia uma “fatia do bolo” nos lucros.

E todos ficaram de acordo.

E as invasões começaram nas comunidades do Morro do Jorge Turco e Juramento.

Depois de dias, semanas e até meses de guerra, conseguiram expulsar o Comando Vermelho das duas comunidades.

Até o momento, estão conseguindo segurar a tentativa de retomar as comunidades por parte do CV. Utilizando todos as “economias” que foram arrecadadas por anos em Costa Barros.

Mas quem são os bandidos que estão liderando e investindo nessas guerras?

Segundo indícios e informações:

Playboy


Playboy
Homem de confiança do Coroa. Ficou encarregado de organizar as invasões, fornecer armas e manter contatos para as proteções nas invasões.

Saiu pouco do seu esconderijo, pois entrou na lista dos mais procurados do Rio de Janeiro, onde por meses vem debochando das autoridades. Chegando até a conceder entrevista para a ONG Afroreggae e para Revista Veja.

Arafá


Segundo homem de confiança do Coroa, e lidera algumas comunidades em conjunto com o Playboy.

Como não gosta de exposição, seu papel é enviar armas e soldados para os redutos que mais precisar, principalmente para auxiliar na ocupação do Jorge Turco.

Chegou à ir em algumas invasões.

Limão


Traficante antigo na hierarquia do Complexo do São Carlos no Estácio. Atualmente ficou de frente no Morro do 18 em Água Santa, e no Morro do Urubu em Pilares.

À pedido dos traficantes Coelho e Lindinho, os líderes do São Carlos, começou auxiliar nas invasões do Morro do Juramento em Vicente de Carvalho.

Sua participação também é enviar soldados e armas, e já cogitaram que ele ganharia o cargo de chefe no Juramento, caso a retomada fosse concretizada.

Jean do 18


Homem que lidera o Morro do 18 para o traficante Piolho.

Tem contato direto com o Limão e o Playboy, e na retomadas que foram planejadas pelo ADA, sua participação é no envio de Soldados para auxiliar nas guerras.

Rogério 157 da Rocinha


Hoje ele é o líder do tráfico nas duas partes da Favela da Rocinha em São Conrado, na zona sul do Rio de Janeiro.

Tem laços de amizade com o Playboy, e aceitou entrar no plano de invasões do ADA.

Claro que em troca, a Rocinha ganhará uma porcentagem no lucros.

Sua função é no envio de soldados, e também oferecer abrigo para os membros da facção, já que a Rocinha é uma favela geograficamente grande, onde seria fácil se esconder.

Chorrão


Traficante antigo e que já integrou o tráfico no Morro do Dendê, quando a comunidade era dominada pelo ADA.

Conseguiu fugir, e se escondeu nas comunidades do Rio de Janeiro.

Já apareceu boatos que ele largou o tráfico de drogas, mas apenas ficou um bom tempo abrigado na favela da Rocinha em São Conrado.

Como era amigo antigo do Playboy, desde a época do Dendê, aceitou participar do plano de expansão.

Segundo informações, ele faz parte do grupo que lidera as bocas da Vila Vintém em Padre Miguel, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Por essa razão, alguns soldados da Vila Vintém foram enviados na retomada do Morro do Juramento.

Com o grupo unido e formado por um só ideal, segundo os planos audaciosos dessa facção, serão investidos muito dinheiro para retomar todos os redutos perdido pelo Coroa.

Agora, já é comum uma tribo com vários “caciques” acontecer um conflito de ideias. Por enquanto estão unidos, mas nada garante que no decorrer do tempo, comecem a brigar por lucros ou porcentagens maiores nas comunidades retomadas.

Esse é o mundo do crime, não podemos desacreditar de nenhuma hipótese.

Deixe seu comentário ou informação abaixo.


P.S: Esse texto foi baseado de indícios e análise com versões que podem ser consideradas Fictícias.

Lacosta da Serrinha vale 5 mil agora

Mesmo quietinho no canto dele, as autoridades não esqueceu na ambição de capturar o chefe do tráfico no Morro da Serrinha, em Madureira, na zona norte do Rio de Janeiro.

O traficante Wallace de Brito Trindade, conhecido como Lacosta ou Salomão, tinha um valor de R$ 1.000,00 de recompensa pela sua captura.

Valor até baixo para um chefe do tráfico, que organizou algumas invasões no passado, como na Congonha, Cajueiro e Juramento.

Que posava em fotos, fortemente armado e com vários traficantes do seu lado. Um homem que era como um aluno para o traficante Marcelo Santos das Dores, o Menor P ou Astronauta (preso).

Que já atraiu diversas operações nos Complexos da Serrinha, Acari e Amarelinho, porque se escondia nessas comunidades.

Apesar de ser relativamente muito jovem, a doutrina de liderança do Lacosta, é bem parecida com a doutrina do Complexo da Maré, especialmente do traficante Astronauta.

Um pouco fora da mídia, que apenas nas ultimas semanas ganhou as capas dos jornais, por conta do “carnaval” que ele estava organizando no Complexo da Serrinha.

Agora a parada ficou mais estreita!

O Disque-denúncia aumentou o valor, agora oferece a quantia de R$ 5.000,00 por informações que leve ao paradeiro do traficante.

Contra o Lacosta existem 3 mandados de prisão, pelos crimes de Homicídio e associação ao tráfico de drogas. Ele também é foragido do Sistema Penitenciário desde 2007, quando saiu de semi-aberta e não retornou!


Será que veremos as mesmas operações e sufoco que fazem para capturar o Peixe Vila Aliança?

Jacarezinho. O encosto dos anos 90 retornando

Esta virando uma febre, mas são as noticias que mais correm no “submundo” do tráfico no Rio de Janeiro, que é a troca de lado.

Já acontecia há anos, mas hoje a troca para ter um favorecimento maior na facção, ta quebrando qualquer tipo de orgulho “criminoso” que os bandidos podem ter.

Uma nova troca, que poderia dizer que é bem “inusitada”, é a tentativa da facção Amigos dos Amigos (ADA) dominarem a favela do Jacarezinho, mesmo sendo um reduto antigo do Comando Vermelho, com várias favelas ao redor, como Manguinhos, Mandela, Rato Molhado e B2.

Boatos que rolam nos quatro cantos da comunidade do Jacaré, é o retorno do traficante Dani do Jacaré, que atuava na favela na década de 90.

Ele negociou com o Edmilson Ferreira dos Santos, o Coroa, sua troca de facção, e segundo boatos, ganhou abrigo no conjunto de favelas do Complexo do Caju, na zona portuária.

Como informado, o próprio Dani era amigo do traficante Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê, líder e fundado da facção ADA.

Nos anos 90, já tinha acontecido um conflito entre, Dani e o Marcus Vinicius da Silva, o Lambari, que hoje é dono da favela do Jacaré.

Na época, o Lambari queria ceder parte das bocas de fumo para a Dani, que recusou, alegando que merecia a totalidade da favela.

E acabou perdendo tudo que tinha no Jacaré para o traficante Lambari, Ceará (saiu do crime), Nei Sapo (Morto no B3), Rogerinho (morto em 1997), ficando 100% das bocas com o Lambari.

Lambari
Abrigado no Caju e negociando com o traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, o Dani já avisou que á qualquer momento entrará na favela do Jacaré.

Aproveitando uma desorganização completa na hierarquia do tráfico no Jacaré, que sofre com falta de informação, onde os “frentes” não passam tudo que acontece para o Lambari, que está preso na Bahia.

Lambari acabou retirando muita gente que é considerada “cascuda” no tráfico, deixando apenas novatos e menores, e seu homem de confiança, trabalhava como Moto táxi na comunidade, e não é bem visto pelos “crias”, na visão deles, o Moto táxi caiu de para queda no posto de líder da favela do Jacaré.

Mesmo com o perigo ao lado, muitos soldados da favela do Jacaré saíram da comunidade para auxiliar os comparsas da Palmeirinha em Honório Gurgel, onde está quase estourando uma guerra contra os Milicianos e a facção ADA, que tem olhos para aquela comunidade.

O traficante Dani do Jacaré ainda tem muita influência na comunidade, e conseguiu recrutar alguns bandidos e negocia com outros.

Existem informantes do Dani dentro da favela.

Pode ser que nada aconteça, mas são reais os planos do Dani em retomar a favela do Jacaré, mesmo com ajuda da sua nova facção.


Vamos aguardar.

Policia prende Munrá do Morro do Estado


Agora sim.

Ao contrário do divulgado, onde eu informei que a Policia tinha capturado o traficante Munrá, chefe do tráfico no Morro do Estado em Niterói.

Na verdade, prenderam seu grupo e sua mulher, responsável pela organização da quadrilha.


Agora sim.

Na manhã desta terça-feira, a policia encontrou o esconderijo do traficante Marcio Conceição da Silva, o Munrá, de 34 anos.

Ele foi capturado em uma casa na estrada de Ipiiba, no bairro Rio do Ouro, em São Gonçalo.

Era uma casa onde o bandido usava para endolar as drogas, e guardar as armas da quadrilha.

No local, foram apreendidos uma pistola tauros 9mm., dois fuzis 762, dois radiotransmissores, Cocaína e Maconha.

Munrá tentou fugir pela janela, mas se deu mal, pois o local já estava cercado pela policia, e o traficante acabou se entregando normalmente.

Ele estaria liderando o retorno do traficante Anão, chefe do tráfico no Morro do Estado, que perdeu o comando do morro para seus comparsas.

Policia quebra Segurança armada do traficante Peixe da Vila Aliança

A Policia chega cada vez mais perto do traficante Rafael Alves, o Peixe ou Flamengo, chefe do tráfico na Vila Aliança, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Desde ontem a comunidade da Vila Aliança conta com Policiamento e vários caveirões do BOPE rondando na comunidade.


Mas segundo informações, os policiais tiveram a informação do local que o Peixe e seus comparsas estavam escondidos.

Logo pela manhã, se entocaram e esperou os traficantes saírem do local.

Invadiram a casa e um confronto aconteceu.

Segundo as informações do momento, cinco traficantes foram baleados na ação, e existe o boato que o Peixe saiu da Vila Aliança baleado, atingido no confronto.

O braço armado que a policia quebrou, seria a segurança pessoal do Peixe, entre os atingidos, foi o traficante conhecido como Fortão. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no Hospital estadual Albert Schweitzer, em Realengo, também na zona oeste.

Também foram apreendidos 4 fuzis, pistolas, carregadores e drogas.

A policia também vai checar se entre os feridos, estaria o segundo homem da hierarquia na Vila Aliança, o traficante Vanilson Silva de Oliveira, conhecido como Ribeiro.

Enquanto ao paradeiro do Peixe, segundo informações, ele já estaria longe da Vila Aliança, para se recuperar dos ferimentos, ou tentar!

Lembrando que alguns dias atrás, o traficante Peixe organizou uma festa para comemorar seu aniversário. Até um culto religioso aconteceu na comunidade.

Pode parecer que foi um golpe grande no grupo criminoso do Peixe, mas quem é morador sabe, virou rotina as operações e mortes na Vila Aliança, infelizmente para os moradores!


Morro do Salgueiro, perto de mudar de lado

Sem dúvida que hoje, a noticia do momento é a facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA).

Um grupo que está envolvido em diversas guerras por territórios no Rio de Janeiro, com seu principal líder nas capas dos jornais, recebendo o valor de R$ 50.000,00 de recompensa e sendo abordado para entrevistas com ONG e Revista conhecida.


O motivo é simples, a facção adotou um plano de expansão territorial custe à que custar, em toda a região do Rio de Janeiro.

Aceitando rivais e antigos desafetos, sem ressentimento!

Em cima dessa nova ideologia, ganhamos um novo capítulo do plano de expansão da facção ADA.

O novo alvo da facção é a comunidade do Salgueiro, que fica localizada na Tijuca, e historicamente é dominada pela facção Comando Vermelho.

Já faz um tempo que o antigo dono do Salgueiro, o traficante conhecido como Ná, trocou de facção. Mesmo detido, sua transição foi feita sem problemas, saindo da ala do Comando Vermelho e indo para Bangu 4, uma ala que abriga as principais lideranças do ADA no Rio de Janeiro.

Ele conseguiu sua liberdade, por motivos desconhecidos até então, se armou e voltou para retomar o Morro do Salgueiro.

Juntou um bonde com mais de 10 homens, e desde ontem, vem guerreando para tomar a comunidade e levantar a bandeira do ADA na Tijuca.

Segundo informações, o grupo controlado pelo Ná, fica agrupado na região de mata o dia inteiro, quando anoitece, ele desce para o Salgueiro para expulsar seus antigos comparsas.

Já houve confrontos, mas sem nenhuma morte divulgado até o momento.

Os policiais ocupam os acessos do Salgueiro e região.

Para ajuda o Nai na sua missão, alguns crias do Morro do Borel (CV) também optaram em pular o muro e auxiliar na invasão do Salgueiro.

No mesmo ritmo, a facção ADA tenta permanecer no Morro do Andaraí, que geograficamente são morros próximos.

Tudo indica que o Nai concluirá sua missão, pois ficaram muitos bandidos novos na boca de fumo, que não estavam preparados para um confronto.

Mas os bandidos do Salgueiro já informaram, que o Nai só sai do Salgueiro “morto”, e não recuaram para o Morro do Turano (CV), vão ficar no Salgueiro até exterminar o antigo chefe.

É uma guerra nova, por enquanto as informações estão escassas.


Vamos aguardar no decorrer dos dias.

A cultura "L" já em prática no Juramento

Mesmo com o morro em pé de guerra, mesmo com os rivais do Comando Vermelho se armando e preparando para retomar, o Morro do Juramento já começa a fluir a "ideologia" da facção Amigos dos Amigos (ADA).

Já podemo ver jovens fazem um sinal, que simboliza a imagem dessa facção, que é o conhecida marca do "L" feito com a mão.



Circulam fotos e vídeos nas redes sociais.

Mesmo com o CV perto de guerrear novamente pelo Juramento.

Na parte do dia, os moradores e os simpatizantes dos traficantes estão andando tranquilamente pela comunidade.

De noite, o clima ainda continua um pouco tenso, mas os bandidos garantiram a segurança pagando altas quantias para ter.

Ao contrário do Jorge Turco, a organização do tráfico no Juramento é feita pelos traficantes do Morro do Urubu, Primavera, com ordens do Complexo do São Carlos.

O homem encarregado para manter á ordem até o presente momento, é o traficante Marcelo Bernadino da Fonseca, o Limão ou Mantena, traficante antigo do perigoso Complexo do São Carlos, na região do Estácio.

A mídia costuma atribuir as invasões do ADA, na conta do traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, por ele ser o porta-voz do traficante Coroa, um dos líderes da facção.

No Jorge Turco, as invasões, os plantões e a parte administrativa é feita com as ordens do Playboy e da cúpula do Complexo da Pedreira.

Já no Juramento, outros bandidos dão o "amém" na comunidade, nem tudo sai da cabeça do famoso Playboy.

Por essa razão que no Juramento, ficou mais difícil para o CV retornar.

Ao contrário do Playboy, o Limão me parece ser mais tranquilo e discreto, prova disso, é sua fama perante a mídia, ou seja, "NENHUMA".

Mas nem tudo sai da sua cabeça, ele recebe e aplica ordens de dois chefões do tráfico no Complexo do São Carlos, os traficantes Lindinho e Coelho.

Limão
Hoje ou agora, o Juramento permanece tranquilo e sem tiroteio, aparentemente.

Caso o CV desista na missão para retornar para seu reduto recente, com toda certeza, analisando os fatos e os comportamentos, os bandidos do ADA se mataram pelo controle do Juramento.

Hoje, como todas as comunidades da facção deram sua "pequena ajuda" na retomada, quando a conta cair, vão brigar para ver quem pagará!

Pior, quando os lucros caírem, a divisão não será o suficiente para encher o bolso de cada um.

Historicamente, o traficante Coroa é conhecido pela sua "má administração". Imagina quando estiver em liberdade?

Enquanto isso, os rivais do Comando Vermelho se organizam na favela do Juramentinho, já próximo de mais um combate!
loading...